Notícias

Peça teatral “Cidade/Abismo” aborda o suicídio na sociedade contemporânea

Uma pessoa se suicida se atirando de uma ponte. Isto afeta diretamente uma cantora, uma mulher que presencia o ato e um atendente do serviço de emergências. O assunto, delicado e polêmico, é o mote da peça “Cidade/Abismo” que estreia nesta segunda-feira (16), às 19h, no Centro Cultural Frei Civitella, em Campo Grande. A produção, do Grupo Teatro Empório, faz parte da programação oficial do Festival Nacional de Teatro Cidade de Vitória 2017 mas faz uma prévia, estreando em Cariacica.

Escrita pelo diretor Leandro Bacellar, a trama se fixa em quem é atingido pelo ato do suicidado. “A preocupação aqui foi não romantizar o suicida, para que não tivéssemos o chamado ‘efeito Werther'”, sintetiza Bacellar. Ele se refere à onda de suicídios que ocorreu na Alemanha após o lançamento do romance “Os Sofrimentos do Jovem Werther”, de Goethe, em 1774. Nele, o jovem Werther se mata após constatar que nunca teria o amor de Charlotte, a quem era dedicado e apaixonado. Quem leu e se CIDADE-ABISMO - Stace Mayka, Luiz Fernando Lopes, Nívia Terra, Marcela Bull, Carolina Lavigne, Diego Carneiro - PRÉ DIVULGAÇÃO 03identificou com o personagem resolveu seguir o mesmo caminho.

Na obra encenada pela companhia, a tensão se concentra nas relações humanas e como estas são afetadas a partir de um ato extremo. “O foco é teatralizar a queda. O abismo como interrupção, como ruptura. A cidade como responsável por quem somos e por nos impedir de ser o que desejamos. A cidade como provedora de Abismos”, desenvolve. A concepção do espetáculo e a pesquisa do texto levaram em conta acontecimentos recentes, relacionados ao tema, passados principalmente na Terceira Ponte.

O grupo

Com 14 anos na estrada, o Grupo Teatro Empório, de Vitória, estreia mais um espetáculo, com texto assinado por Leandro Bacellar. Contemplado no Edital de Produção de Artes Cênicas de 2016, com recursos do Funcultura da Secretaria de Cultura do Estado do Espírito Santo (Secult), é a nona produção da companhia.

Ela estreou com a peça “Quase Famosos”, em 2003, enfocando a questão da visibilidade na mídia. Em 2006, foi a vez de montarem “O amor em muito mais que preto e branco”, que obteve o Prêmio de Melhor Espetáculo pelo Júri Popular no VII Festival Nacional de Teatro de Guaçuí/2006. Acostumados a tratar de assuntos polêmicos, a peça falava de um rapaz interessado num amigo que tinha um relacionamento complicado com a namorada.

Em 2009, o grupo montou um musical, “Boulevard 83”, com dramaturgia e encenação de Leandro Bacellar e composições originais do pianista Elenísio Rodrigues. A história se passava num cabaré decadente de uma grande cidade, que colocava todas as suas esperanças numa nova artista que chegava do interior.

No ano seguinte, foi a vez da estreia de “Rosa Negra”, também com texto de Bacellar e que havia ganho o Edital 006/2009 – Seleção de Textos Teatrais Inéditos da Secult (Concurso Capixaba de Dramaturgia). Na trama, as forças do Bem e do Mal disputavam a preferência da humanidade que vivia no caos de um mundo pós-apocalíptico.

Em 2011, o espetáculo “A Ordinária”, a primeira investida do grupo em Projeto de Residência Artística, estreou dentro do Circuito Banescard de Teatro em Vitória, Guaçuí, Alegre e Cachoeiro do Itapemirim. Em seguida, a peça se apresentou no Projeto Circulação Cultural em mais seis cidades, completando temporada em mais de 10 teatros no Espírito Santo. “Uma Carta Para Alice” subiu aos palcos em março de 2012 com texto e direção de Leandro Bacellar e fruto de uma residência artística com Zé Henrique de Paula diretor do Núcleo Experimental (SP).
No ano passado, o Empório estreou no Rio de Janeiro o espetáculo “Bandida”.

Serviço: 

“Cidade/Abismo”

Dramaturgia e encenação de Leandro Bacellar.

Colaboração Criativa e de direção de Marco André Nunes.

Com Grupo Teatro Empório.

Quando: nesta segunda-feira (16), às 19h.

Onde: Centro Cultural Frei Civitella, Avenida Expedito Garcia, 220, Campo Grande, Cariacica. Ao lado do supermercado Carone.

Informações: 3346-6342

Duração: 90 minutos.

Classificação: 14 anos.

Ingressos: gratuito.

 

 

''

Escrito por

O autor não acrescentou qualquer informação a seu perfil ainda