Categoria : Prefeitura Municipal de Cariacica – PMC

Técnicos de Cachoeiro e Itaguaçu visitam Programa Família Acolhedora

No mês de fevereiro a Secretaria de Assistência Social (Semas) recebeu a visita da equipe da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim para conhecer o Programa Família Acolhedora e, na última sexta-feira (22), foi a vez de uma equipe de Itaguaçu também vir conhecer a iniciativa desenvolvida pela Semas desde 2012.

A secretária de Assistência Social da cidade, Maria Júlia Bortolini Dettmann, veio acompanhada pela subsecretária Luciana Dessabato Coelho Cardoso e por uma equipe do Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) composta por coordenação, psicólogo, assistente social e advogado.

As honras da casa foram feitas pelo prefeito Geraldo Luzia e pela assistente social da Semas, Geralda Bruschi, que fez questão de explicar aos colegas cada detalhe do Programa. No momento há 12 famílias habilitadas e seis famílias acolhendo. Os critérios para participar do programa é ser morador de Cariacica por no mínimo dois anos, ter entre 25 e 60 anos, autorização e colaboração de todos os membros da família e ter interesse e disponibilidade para atender ao menor acolhido. Além disso, é preciso encaminhar a Semas toda a documentação exigida. A documentação está disponível em http://www.cariacica.es.gov.br/.

“Foi uma visita bem produtiva, foi bacana a gente passar um pouco do conhecimento que a gente tem e da vivência que a gente aqui em Cariacica para que eles possam implantar esse serviço de acolhimento familiar no município deles também”, conta Geralda.

Luciana não poupou elogios ao Programa. “É muito bom, é um programa diferenciado e muito bem organizado pelo município”. Na busca por um modelo Cariacica foi a primeira cidade em que a equipe decidiu visitar. “Temos a lei que cria o Programa Família Acolhedora no município, mas estamos buscando capacitação e experiências como a de Cariacica para implantarmos esse ano”, completa.

Além de Cachoeiro de Itapemirim e Itaguaçu os municípios de Santa Maria de Jetibá, Marataízes e Guarapari também já demonstraram interesse em conhecer a iniciativa.

Saiba o que funciona e o que não funciona no Carnaval

A Prefeitura de Cariacica decretou – decreto nº 202/2018 – ponto facultativo na segunda (04), terça de Carnaval (05) e Quarta-feira de Cinzas (06). Por conta disso, não haverá atendimento ao público no setor administrativo. A Prefeitura manterá em funcionamento somente os serviços essenciais.  As atividades retornam na quinta-feira (07), a partir das 12h. Confira:

 

– O Pronto Atendimento 24 horas do Trevo de Alto Lage – que abriga os PAs Adulto e Infantil – funciona normalmente. Também estarão funcionando os PAs de Bela Vista e Nova Rosa da Penha I, das 7h às 17h.

– A Farmácia Central, em Alto Lage, abrirá das 8h às 17h.

– A Defesa Civil estará em plantão 24 horas. Caso haja emergências, os telefones de contato são 9 8831-6000 ou 199.

– Os Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis) e as Escolas Municipais de Ensino Fundamental retornarão às atividades na quinta-feira (07).

– O Conselho Tutelar de Cariacica funciona 24 horas nos fins de semana e feriados. Os números do plantão são: 98818-4538 / 98819-2886 /98818-4330 / 98818-5302.

_ O serviço de Abordagem Social funcionará em horário normal, das 9h às 18h. O número do plantão é 98875-1261.

– Os serviços de varrição serão mantidos nas principais vias do município, assim como a coleta de lixo domiciliar.

Mais de 200 vagas de emprego na Agência do Trabalhador

Muita gente já está com a cabeça no Carnaval, porém antes da folia, dá para garantir uma vaga de emprego. A Agência do Trabalhador está com 285 vagas de abertas, sendo que 74 são destinadas à Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais (PNE).

Entre as oportunidades estão assistente de faturamento em hospital (08), cobrador de transporte coletivo (10), consultor de vendas (20), instalador de TV a cabo, internet e telefone (20), motorista carreteiro (10) e açougueiro (04).

Para Portadores de Necessidades Especiais (PNE) há oportunidades em áreas como operador de telemarketing ativo (20), representante de atendimento (25) e  operador de telemarketing ativo (20).

Também há vagas para estudantes. São duas oportunidades para quem cursa Administração, uma para quem cursa Ciências Contábeis, oito para ensino médio e duas para estudantes de nível técnico.

Caso não obtenha a vaga desejada o candidato pode arquivar suas informações – pessoais, qualificações e experiências profissionais – e se cadastrar no banco de dados da agência, ele será acionado assim que surgir uma nova oportunidade.

Para se candidatar às vagas é preciso comparecer à Agência do Trabalhador, que funciona no Centro Administrativo, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, portando documentos pessoais. O endereço é Avenida Kleber Andrade, 05, bairro Rio Branco, o telefone para contato é (27) 3354-5510.

 

Clique aqui e confira as vagas dessa semana

 

Inscrições abertas para V Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa

Estão abertas as inscrições para a V Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Cariacica. O evento será realizado nos dias 27 e 28 de março, na Primeira Igreja Batista de Campo Grande. Este ano o tema será  “Os desafios de envelhecer no século XXI e o papel das políticas públicas”.

De acordo com o vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa, Moises de Souza Costa, a conferência tem como objetivo discutir propostas que futuramente podem ser aprovadas em nível nacional.

“Nas conferências surgem propostas e elas sendo aprovadas, são encaminhadas para serem efetivadas no município e encaminhadas também para o estado, que as discute e depois as encaminha para a União, para a conferência nacional”, afirma

Ele lembra que uma das vitórias conquistadas graças às conferências municipais foi o acréscimo de 25% para aposentados que necessitam de cuidador. “A proposta surgiu dentro da conferência de 2015, passou pela conferência estadual e fomos a Brasília fazer essa defesa que foi aprovada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 22 de agosto do ano passado”.

A assistente social Nara Lúcia Pereira Pimentel complementa que as Conferências de Direitos das Pessoas Idosas são espaços amplos e democráticos de reflexão, discussão e articulação coletivas em torno de propostas e estratégias que apontam diretrizes paras as várias políticas setoriais envolvidas.

A conferência está organizada em quatro eixos temáticos: Direitos Fundamentais na Construção/Efetivação das Políticas Públicas tendo como sub-eixos Saúde, Assistência Social, Previdência, Moradia, Transporte, Cultura,  Esporte e Lazer; Educação: assegurando direitos e emancipação humana, Enfrentamento da Violação dos Direitos Humanos da Pessoa Idosa e os Conselhos de Direitos: seu papel na efetivação do controle social na geração e implementação das políticas públicas.

As inscrições serão realizadas até o próximo dia 08 através de fichas impressas e também através do link abaixo.

 

Serviço:

V Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Cariacica

Local: Primeira Igreja Batista de Campo Grande

Dias: 27 e 28 de março

Horário: de 8h às 12h no primeiro dia e de 8h às 13h no segundo

Inscrições: a ficha deve ser retirada na Casa dos Conselhos de Direitos de Cariacica, Avenida Getúlio Vargas, 58, Campo Grande, próximo ao Cartório Eleitoral, das 8h às 16h. As inscrições também podem ser feitas no link https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeToHPUePXkD8Qg3h17gumQcca6wogbrsr30nvPq6bSAs0U-Q/viewform?vc=0&c=0&w=1

 

Acamados recebem visita domiciliar de equipe multidisciplinar da Assistência

Católica fervorosa, dona Guiomar Dantas de Almeida, 69, não perde uma missa do padre Marcelo Rossi pela TV, e para além de acompanhar as missas o que mais a deixa feliz é receber a visita da equipe do Serviço Especializado em Atendimento Domiciliar (Sead). Dona Guiomar é uma das 1.179 pessoas atendidas pelo serviço, que em 2018 teve um aumento de 127%.

Criado em 2016 o Sead oferece atendimento especializado a famílias com pessoas com deficiência e idosos, a partir de 60 anos, que apresentam algum grau de dependência e que tiveram suas limitações agravadas por situações de violação de direitos, tais como: exploração da imagem, isolamento, confinamento, atitudes discriminatórias e preconceituosas no seio familiar, falta de cuidados adequados por parte do cuidador, alto grau de estresse do cuidador, desvalorização da potencialidade ou capacidade da pessoa, dentre outras que agravam a dependência e comprometem o desenvolvimento da autonomia.

Dona Guiomar é atendida pelo Sead há oito meses, desde que teve as duas pernas amputadas devido ao diabetes. A família teve acesso ao programa quando a filha dela, a dona de casa, Paula Maria Dantas de Almeida, 51, foi ao Centro de Referência Especializado em Atendimento Social (Creas) de Porto Novo, se informar sobre benefícios federais. Hoje ela comemora as vitórias diárias que mãe tem.

“Depois que a equipe começou a atendê-la ela melhorou bastante. Quando o primeiro terapeuta ocupacional veio ela falava que não conseguiria sentar, que nunca melhoraria, e ele sempre conversando, e com exercícios ela passou a sentar sozinha, a ficar mais tempo sentada. Ela já consegue passar da cama para as cadeiras de roda e de banho, as psicólogas incentivam, falam que ela é capaz”, diz.
1X7A0221

A equipe é composta por assistentes sociais, psicólogos, terapeutas ocupacionais e orientadores sociais.  O trabalho da equipe ocorre por meio de oficinas, orientações e encaminhamentos.  “Nós realizamos o atendimento no domicílio da família, acolhemos as demandas e a partir dessas demandas identificamos qual é a melhor frente de trabalho”, explica a psicóloga Dilcineia Souza Bragança.

As “meninas” como são carinhosamente chamadas por dona Guiomar, visitam a casa da família Bragança mensalmente e quando é dia de atendimento dona Guiomar fica eufórica. “Por mim toda semana elas estariam aqui comigo. Elas são agradáveis, amáveis, sempre me trataram bem. O primeiro apoio que eu tive foi delas”, conta. No início do atendimento as visitas eram semanalmente e foram reduzidas de acordo com a evolução da paciente.

1X7A0247

Além do atendimento ao idoso e ao deficiente o Sead ainda oferece atendimento ao membro da família que é cuidador, o objetivo é aliviar o estresse. Para ser atendido pelo serviço é preciso comparecer a algum Creas e manifestar o interesse, a partir disso, é traçado o perfil técnico da família para saber se ela enquadra-se ou não no serviço.

O Sead está alocado no Creas de Itacibá, mas todos os bairros do município são atendidos. E além do atendimento domiciliar o munícipe também é encaminhado a benefícios do governo federal.

Crescimento

No primeiro ano somente 35 pessoas eram atendidas, enquanto hoje são 1.179. Dilcinéia atribui o crescimento da demanda ao aumento significativo da população idosa no município. “Temos observado, infelizmente, também muitos atendimentos que trazem questões de conflito familiar, e muitas vezes a nossa intervenção é necessária. Se há necessidade no município que bom que nós enquanto Sead temos conseguido alcançar essas famílias”.

O feedback do trabalho é possível graças ao forte diálogo que é mantido com as famílias, pois além das visitas domiciliares são mantidos contatos telefônicos semanalmente.

 

Igualdade Racial recebe carro e equipamentos

A Gerência de Igualdade Racial foi presenteada pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) com um carro, modelo Citroen C3 Picasso, avaliado em R$ 75 mil. O presente se deu por meio de uma emenda parlamentar. Além do veículo, a Gerência também foi contemplada com um computador.

O gerente de Igualdade Racial, o Babalorixá Sandro Cabral Silva, atribui os presentes ao bom desempenho da Gerência, somente em 2018 um total de 11 ações foram implementadas.

Para esse ano a novidade é a criação de uma equipe técnica para fazer o mapeamento sócioeconômico dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana. A equipe, que é formada por antropólogos, sociólogos e historiadores; primeiro fará um diagnóstico e em seguida o mapeamento. Através desse diagnóstico serão extraídas as demandas dessas comunidades.

“Temos parceria com as secretarias de Saúde, Educação, Cultura e Assistência Social, que são secretarias envolvidas com esse mapeamento e vamos até os indígenas, pescadores ribeirinhos, pomeranos, ciganos, quilombolas, povos e comunidades de terreiros. Ao acompanharmos o mapeamento dos povos tradicionais vamos de encontro a muitas demandas, e a partir delas criaremos muitas ações, a todo tempo estamos atentos, observando e avaliando”, afirma o gerente.

Ações
Uma das ações desenvolvidas pela Gerência são seminários, palestras e rodas de conversa no dia 21 de janeiro, data em que é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Já no dia 02 de fevereiro é realizada a Festa de Iemanjá, na orla de Porto de Santana. Em janeiro do ano passado também foi criado um grupo de trabalho para desenvolver o projeto “Centro de Vivência da Transversalidade de Cariacica”, em Padre Gabriel.

Em março está previsto um curso de capacitação ofertado pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), tanto para servidores da Gerência quanto para a comunidade.

Quatorze de maio é o dia de comemorar o Dia dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matrizes Africanas do Estado do Espírito Santo. Ano passado a celebração da data se deu com uma caminhada na orla de Camburi e a interação entre os povos.

Junho é o mês de comer milho cozido, pamonha e canjica, mas também é mês de arraiá consciente. A Gêrencia promove o Festival de Quadrilha das Matrizes Africanas e Convidados, o objetivo é valorizar as comunidades e promover a interação entre elas.

No que diz respeito às mulheres são realizadas reuniões de acolhimento psicossocial às mulheres negras, no momento os encontro estão sendo realizados na Unidade de Saúde de Bandeirantes. Durante as inteirações são apresentados temas e em meio às conversas algumas mulheres, que têm dificuldades para se expressar, acabam falando situações difíceis as quais estão vivenciando, entre elas violência doméstica. A partir daí elas são encaminhadas ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

Em novembro tradicionalmente são realizadas atividades voltadas ao mês da Consciência Negra.

Parceria

Em parceria com a Defensoria Pública Estadual, Instituto de Desenvolvimento do Município de Cariacica (Idesc) e Corpo de Bombeiros a Gerência de Igualdade Racial criou uma proposta para registro das casas de matriz africana do município, ao todo são mais de 80. De acordo com o Sandro está sendo realizado um estudo. “A Defensoria nos acolheu de forma positiva e nos ofereceu uma parceria sobre o porque registrar e como lidar com esse registro. Estamos procurando a melhor forma de dar atenção a todas”.

O apoio do prefeito Juninho, nas palavras de Sandro, é fator primordial para o sucesso das ações da Gerência. ” Outros prefeitos nunca deram atenção, nós estamos trabalhando com essa liberdade que ele nos dá de criarmos ações e a todo tempo temos o apoio da prefeitura”.
1X7A0443

Assim como Juninho o secretário de Direitos Humanos, Allyson Marcelo Santana, “abraça” a causa da Gerência.  “Sinto satisfação em estar ao lado do Gerência de Igualdade Racial e isso se reflete no resultado do bom trabalho que a gente vem desenvolvendo. Temos uma parceria muito forte e trabalhamos em plena harmonia”.

Inscrições abertas para a área da Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) lançou o edital do processo seletivo simplificado para a contratação temporária de enfermeiros para o cargo de analista municipal de nível superior I. As inscrições estão abertas até 26 de fevereiro.

Ao todo, serão 39 vagas, para 40 horas semanais. O salário será de R$ 2.115,93. As atribuições do cargo exigem aplicação de conhecimentos teóricos, análise e resolução de problemas de natureza simples e complexa, orientação, supervisão e coordenação de trabalhos em equipe, conforme descrito no edital.

É requisito para participar do processo de seleção ter curso de nível superior completo, registro no respectivo Conselho de Classe, conhecimentos básicos de informática, em especial editor de texto, planilhas eletrônicas e internet.

A seleção se dará por análise de títulos para cargo de Ensino Superior.

As etapas

A primeira etapa, a de inscrição e classificação, será totalmente realizada pelo site www.cariacica.es.gov.br.

Na segunda etapa, o candidato será convocado para comprovação de requisitos, experiência e qualificação profissional. Divergências entre a documentação apresentada e a declarada na primeira etapa acarretará em reclassificação do candidato. O candidato que não comparecer será desclassificado.

Na terceira etapa, o candidato poderá ser convocado e contratado. De acordo com o edital, a contratação acontecerá conforme as necessidades do município, a partir da homologação do resultado final publicado na Imprensa Oficial do Município.

Inscrições

As inscrições estão abertas até as 23h59 de 26 de fevereiro, pelo endereço www.cariacica.es.gov.br. O candidato deve imprimir a ficha de inscrição e apresentá-la na segunda etapa, junto aos documentos declarados na primeira etapa.

O edital foi publicado no Diário Oficial do Município no último dia 19 de fevereiro e está disponível neste link.

Assistência faz ação com comerciantes sobre população em situação de rua

A presença de moradores em situação de rua no entorno do comércio é uma questão delicada. Pensando nisso, equipes da Secretaria de Assistência Social (Semas) vêm, desde o ano passado, pensando em uma ação que envolva os comerciantes.  Na manhã desta terça-feira (12) a ideia saiu do papel. O primeiro bairro a ser contemplado foi Jardim América, comerciantes e moradores foram conscientizados sobre a importância de não “adotarem”, moradores de rua.

Após traçar um diagnóstico com os pontos que mais concentram moradores em situação de rua, a equipe do serviço de abordagem social do Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas) de Campo Grande percorreu as Ruas Bolívia, Paraguai e Espírito Santo acompanhada de  representantes do Conselho de Segurança de Jardim América e da Associação de Moradores. Técnicos de outras equipes da Semas também “arregaçaram as mangas” e ajudaram na ação.

A demanda pela realização da ação surgiu não só do clamor dos comerciantes locais como também do olhar atento e sensível dos técnicos do serviço de abordagem social que têm como missão melhorar e ampliar a qualidade do serviço prestado pela Semas.

Os comerciantes aprovaram a proposta. “É uma grande iniciativa, a gente sofre muito com os moradores de rua pois eles não nos respeitam, mas temos que levar a situação com todo carinho, porque eles também são humanos”, comenta Teodorico Franscisqueto, 76, que há 35 anos é proprietário de um bar na Rua Paraguai.

1X7A9330

A empresária Joceane Santana de Almeida, 48, tem uma padaria também na Rua Paraguai e, assim como o vizinho Teodorico, aprovou a iniciativa da Semas. ” Os comerciantes de Jardim América têm tentado tirar essas pessoas da rua, mas é difícil, nos sentimos coagidos. Muitas vezes não damos esmolas, mas o cliente dá. Uma ação desse tipo é importante para o bairro e dá mais tranquilidade para a gente”, comemora.

1X7A9332

De acordo com a coordenadora do Creas de Campo Grande, Valquiria Santos, a intervenção teve como objetivo alinhar, com os comerciantes, as ações de políticas públicas da Semas. “Serviu para falarmos aos comerciantes e moradores qual é o nosso serviço e o que oferecemos enquanto enquanto serviço da assistência social. Dentro da estrutura que temos, buscamos garantir os direitos das pessoas em situação de rua, porque esse é o nosso papel, temos feito o máximo para atender às demandas desse público”, explica.

O presidente do Conselho de Segurança da Grande Jardim América (que inclui os bairros Jardim América, Vasco da Gama e Vera Cruz), Idevan Medeiros, associa a grande quantidade de moradores em situação de rua na localidade a proximidade com a estação ferroviária e o terminal de ônibus. Segundo ele, muitos vêm em busca de uma oportunidade de trabalho no estado e ao não conseguir vão para as ruas.
1X7A9270
“É difícil dizer não para a pessoa que pede, há comerciantes que para não ver a pessoa na porta dele acaba dando dinheiro para que ele saia e não roube. O cidadão comum pode fazer pouco, mas ele pode ser conscientizado de que o morador de rua deve ser encaminhado para um trabalho da assistência social”, finaliza.

O próximo bairro a receber a ação será Campo Grande, no próximo dia 21. Outros bairros também serão contemplados ainda nesse semestre, conforme cronograma.

Projeto Apadrinhamento Afetivo realiza encontro

Tia me leva ao parquinho? Tia faz um bolo para mim? Tia brinca comigo? Tia compra aquele carrinho? Eu te amo, tia! A casa da cuidadora de idosos Jane Silvia Souza Prata, 47, que por anos foi silenciosa, agora já não é mais. Como ela mesma diz, a casa ganhou mais vida com a chegada de uma criança de 9 anos. Jane é uma das sete madrinhas do Projeto de Apadrinhamento Afetivo desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social (Semas). Na tarde de ontem (31), Jane e outros padrinhos participaram de uma reunião de avaliação do projeto.

Os encontros acontecem trimestralmente e o intuito é ouvir dos padrinhos e madrinhas como está sendo a convivência com o menor acolhido. A assistente social do Projeto de Apadrinhamento, Aryany Rabbi Vedova Pires, explica que para além dos encontros presenciais o contato telefônico é mantido semanalmente.

É como brilho no olhar e fala mansa que Jane descreve a convivência com a criança de 9 anos que apadrinha desde agosto do ano passado. “A experiência tem sido muito boa, tenho uma ligação muito forte com crianças. A parte mais gostosa é quando ele chega lá em casa e tem um presentinho guardado para ele. Às vezes é muito difícil falar não, mas temos que saber falar”.

1X7A7539

Solidão foi o motivo que levou Jane a se tornar uma madrinha. “Terminei os estudos e não tive filhos, engravidar foi ficando para depois até que coloquei na cabeça que já não dava mais, foi quando conheci o projeto, por meio de uma colega que já tinha apadrinhado uma criança”, lembra.

Jane conta que, com o aval do marido, visitou o abrigo e passou a participar das festas, até que um dia chegou a vez dela apadrinhar uma criança. O ano era 2010 e o pequeno em questão tinha 3 anos de idade. “A casa ganhou alegria”, conta em tom de gratidão. Hoje, ela já está apadrinhando a segunda criança.

O Projeto de Apadrinhamento foi criado em 2012 e de lá pra cá tem proporcionado à crianças e adolescentes, com idades entre 7 e 18 anos, a oportunidade de vivenciarem experiências familiar e comunitária. “Para essas crianças e adolescentes que tiveram isso rompido, que foram negligenciadas e estão em vulnerabilidade”, explica Aryany.
1X7A7541
Para se tornar um padrinho alguns critérios devem ser seguidos: não estar inscrito no cadastro de adoção da Vara Especializada da Infância e Juventude e entregar à Semas toda a documentação listada no ato normativo 13/2015 do poder judiciário. Todo o processo, incluindo visita domiciliar, dura em média 3 meses.

No momento há 22 pessoas cadastradas para se tornarem padrinhos e 14 crianças e adolescentes para serem apadrinhadas.

Vida nova

Cronologicamente a professora Alessandra Ribeiro do Rosário nasceu em 08 de agosto de 1973, mas no dia em que apadrinhou a primeira criança, um menino de 11 anos, ela nasceu novamente. Foi nesta data que ela viu a vida ganhar mais sentido. Hoje ela é madrinha de uma adolescente de 17 anos.
1X7A7537
“A gente vê muito em escola crianças que sofrem abusos, essas coisa.  Com ele eu aprendi a valorizar mais as pequenas coisas.  A mensagem que eu deixo para quem está pensando em apadrinhar é que deve ir, pois o caminho é esse, não fique com medo”, aconselha.

Programa Família Acolhedora vira case de sucesso

A equipe da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim, Sul do Estado, “pegou” a estrada na manhã desta quinta-feira (24) e veio a Cariacica por um motivo pra lá de especial: conhecer o Programa Família Acolhedora, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), desde 2012. O Programa é uma modalidade de acolhimento familiar para crianças e adolescentes abrigadas provisóriamente.

A gerente de Proteção Social e Especial, Edilane Goulart e a técnica de Referência do Serviço de Acolhimento Institucional, Daniele Peixoto foram recebidas pela coordenadora do Programa Família Acolhedora e do Projeto de Apadrinhamento, Cristiana Furtado Caldas Couto e por demais servidores da Semas.

Durante a visita, Edilane e Daniele conheceram todos os detalhes do Programa Família Acolhedora. Hoje Cariacica tem seis famílias acolhedoras e 10 crianças acolhidas, sendo que uma delas é uma bebê de 6 meses. Elas ficarão no seio familiar por um ano podendo se estender para dois. Os critérios para participar do programa é ser morador de Cariacica por no mínimo dois anos, ter entre 25 e 60 anos, autorização e colaboração de todos os membros da família e ter interesse e disponibilidade para atender ao menor acolhido.

Embora tenham gostado do Programa Família Acolhedora foi pelo Projeto de Apadrinhamento que Edilane e Daniele se encantaram. O Projeto tem as mesmas regras do Programa Família Acolhedora: toda a documentação exigida é entregue à Semas, são feitas visitas domiciliares e relatórios de avaliação que são encaminhados para o Ministério Público Estadual (MPES) que dá vistas e habilita a família. A diferença, no entanto, está no fato de que enquanto no Família Acolhedora a criança ou adolescente passa de um a dois anos com a família, no Apadrinhamento as visitas são feitas aos finais de semana ou nas férias, conforme acordado.

FAMILIA1

“O município de Cachoeiro de Itapemirim reconhece a importância do Apadrinhamento e está em fase de estudos e adequação para a implementação. O projeto é fundamental para garantir às crianças e adolescentes que estão em serviço de acolhimento a convivência em um ambiente familiar e comunitário”, comentou Daniele.

Ao todo a equipe responsável pelo Programa Família Acolhedora tem quatro integrantes que trabalham à todo vapor para que o programa melhore cada vez mais. E os frutos do trabalho não param de ser colhidos. Além de Cachoeiro de Itapemirim os municípios de Santa Maria de Jetibá, Marataízes e Guarapari já demonstraram interesse em conhecer a iniciativa.

” Outras equipes querem conhecer como funciona na prática. Ano passado respondemos um questionário para uma equipe de São Paulo que quer implantar o Apadrinhamento. Temos a sensação de dever cumprido”, comemora Cristiana.

Conquistas

O ano de 2018 foi um ano de vitórias para a equipe do Programa Família Acolhedora. Uma delas foi a alteração na lei municipal 4.917 de 26 de março de 2012. Anteriormente a legislação contemplava família de origem, com a alteração um dos requisitos para ser uma família acolhedora é não possuir vínculo parentesco com o acolhido.

Para que 2019 também seja um ano positivo a equipe responsável pelo Programa tem apostado na captação de novas famílias. “Temos a intenção de ampliar o serviço e aumentar o número de famílias habilitadas”, finaliza Cristiana.